EMAIL US AT ajan@jesuits.africa
LIGUE AGORA (+254-20) 3884 528
DOE PARA NOSSAS CAUSAS

Rede Jesuíta Africana contra a SIDA Comemoração do Dia Mundial de luta contra a SIDA / 2023

” VAI, E FAZ TU TAMBÉM DO MESMO MODO “.

No dia 1 de dezembro de 2023, sob a liderança da equipa da Rede Jesuíta Africana contra a SIDA em inglês Africain Jesuit AIDS Network (AJAN), os membros da Conferência dos Jesuíta da África e Madagáscar (JCAM) juntaram-se ao resto do mundo para celebrar o Dia Mundial de luta contra a SIDA 2023 e recordar as pessoas que perdemos devido ao VIH e à SIDA. A celebração teve lugar em Africama House, Karen, Nairobi, Quénia, e contou com a presença do Rev. Pe. Minaku L. José, S.J, Presidente da Conferência dos Jesuíta da África e Madagáscar (JCAM), Pe. Ismael Matambura S.J, Diretor da AJAN, membros da equipa da JCAM e 13 jesuítas visitantes a participar no encontro de Formadores.

Pe. Ismael Matambura SJ., Diretor da AJAN (extrema direita) SJ. durante a sessão de abertura da comemoração do Dia Mundial da SIDA na Africama House.
Pe. Ismael Matambura SJ., Diretor da AJAN (extrema direita) SJ. durante a sessão de abertura da comemoração do Dia Mundial da SIDA na Africama House.

O ano de 2023 assinala o 35º aniversário do Dia Mundial de luta contra a SIDA desde 1988. A celebração começou com uma breve introdução do Diretor da AJAN, Pe. Ismael Matambura, SJ. Ele explicou a importância desta celebração, dando três razões para comemorar: Primeiro: celebrar os vários sucessos dos jesuítas no continente africano e todos os intervenientes e pesquisadores que estão no terreno envolvidos na proteção e transformação das vidas dos infetados e afetados pela sida. Segundo: aumentar a consciencialização sobre a necessidade de continuar a luta, porque o VIH ainda está presente e continua a afetar o planeta, especialmente na África subsaariana. Terceiro: rezar a Deus pelo fim da pandemia, por mais empenho e compromisso comuns nos esforços para acabar com a pandemia, colocando a pessoa no centro com criatividade conjugada. Em 2022, o Dia Mundial de luta contra a SIDA focou-se no apelo para pôr fim às desigualdades, que são uma barreira forte para acabar com a pandemia, incluindo desigualdades no acesso, testagem, tratamento, cuidado, financiamento, etc. Este ano de 2023, além de todos os serviços e progressos feitos, estão a esforçar-se para dar poder às comunidades, sob o lema “Comunidades liderando”, como sugerido pela UNAIDS e pela OMS. As comunidades conhecem, vivenciam o problema e sabem o que funciona melhor para encontrar soluções duradouras. Enquanto continuamos a viver com as realidades da pandemia de VIH e SIDA, estamos plenamente conscientes de que ainda estamos a perder demasiadas pessoas para esta doença.

Sra. Pascalia Sergon, responsável pelo reforço de capacidades da AJAN, faz hoje uma apresentação sobre o estado da epidemia do VIH e da SIDA.

A Sra. Pascalia Sergon, responsável de Desenvolvimento de Capacidades da AJAN, seguiu dando uma apresentação sobre o estado atual da epidemia de VIH e SIDA. Ela forneceu uma visão geral do estado das pandemias de VIH globalmente e na África subsaariana. O Relatório da UNAIDS de 2023 mostra que havia 20,8 milhões de pessoas com VIH na África Oriental e Austral; destas, 500.000 eram novas infeções; 440.000 ocorreram em adultos com mais de 15 anos e 58.000 em jovens entre 0 e 14 anos. A região também registrou 260.000 mortes relacionadas à SIDA e 7 milhões de pessoas em busca de tratamento; no Médio Oriente e Norte de África, havia 190.000 pessoas vivendo com VIH; 17.000 eram novas infeções no total, 16.000 ocorreram em pessoas com 15 anos ou mais, 1.700 em jovens de 0 a 14 anos, 5.300 foram mortes relacionadas à SIDA e 130.000 estavam a receber tratamento. Na África Ocidental e Central, havia 4,8 milhões de pessoas com VIH; destas, 160.000 eram novas infeções, 110.000 ocorreram em pessoas com 15 anos ou mais, e 51.000 em jovens de 0 a 14 anos. A região também registrou 120.000 mortes relacionadas à SIDA e 3,9 milhões de pessoas em tratamento.

Sra. Pascalia Sergon, responsável pelo reforço de capacidades da AJAN, expõe os trabalhos e iniciativas que estão a ser levadas a cabo pela AJAN com parceiros.

Apesar da situação ainda ser preocupante em África, a apresentação enfatizou o trabalho tremendo e as iniciativas que a AJAN, juntamente com parceiros, está a realizar tanto ao nível do Secretariado como nas bases (19 centros em 17 países em africa) para alinhar com o tema deste ano, “Comunidades liderando”. As iniciativas e intervenções de base dos Jesuítas incluem a realização de testes de VIH e SIDA, cuidados médicos, sensibilização pública para prevenção do VIH, violência baseada no género (VBG), doenças não transmissíveis e prevenção do VIH; concessão de bolsas de estudo para crianças desfavorecidas e órfãs; apoio ao desenvolvimento holístico dos jovens através do Programa de Prevenção do VIH e SIDA da AJAN para a Juventude (AHAPPY); redução da pobreza através de atividades geradoras de renda e formação de competências para o desenvolvimento social; prestação de cuidados psicossociais e pastorais, apoiando grupos de Pessoas Vivendo com VIH, clubes de saúde para jovens na escola, mentoria e aconselhamento; e partilha de conhecimentos através de pesquisa e publicações.

De acordo com o Relatório da UNAIDS de 2023, Botsuana, Eswatini, Ruanda, Tanzânia e Zimbabwe já alcançaram as metas “95-95-95”, mas para garantir que atingimos a meta global, é crucial fortalecer a cascata de tratamento do VIH. Isso significa que 95% das pessoas que vivem com VIH conhecem seu estado seropositivo, 95% das pessoas que sabem que vivem com VIH tenham acesso ao tratamento antirretroviral, e 95% das pessoas em tratamento suprimem a carga viral. O Pe. Ismael Matambura, SJ reiterou a necessidade de reconhecer e enfrentar corajosamente os desafios que ainda existem nas comunidades que impedem os esforços para pôr fim à SIDA; podemos ‘Deixar as Comunidades Liderar’ se as capacitarmos através de programas de empreendedorismo social para erradicar a pobreza, realizando várias atividades que incluem sensibilizações públicas, serviços de saúde integrados, encorajamento dos nossos jovens a fazerem testes, fornecendo-lhes orientação adequada, informações e aconselhamento, distribuição de medicamentos importantes, formação de educadores entre pares que alcancem diferentes segmentos da população jovem.

Rev. Minaku L. José, SJ Presidente da Conferência Jesuíta de África e Madagáscar (JCAM) (localizado no segundo ponto a partir da esquerda), juntamente com outros Jesuítas visitantes que participam na Formação de formadores, seguem o processo de comemoração do Dia Mundial da SIDA na Africama House.

Após as apresentações e o comunicado do Presidente da JCAM neste dia especial, todos se reuniram na capela para a celebração do dia presidida pelo Padre Ismael Matambura, SJ.

Pe. Ismael Matambura SJ., Diretor da AJAN lidera as orações e intercessões do Dia Mundial da SIDA na Capela JCAM.

O trecho do Evangelho lido foi a parábola do Bom Samaritano, de Lucas 10,25-37. O Padre Matambura concentrou-se no apelo de Jesus ” vai, e faz tu também do mesmo modo “. Ele comentou que os crentes não podem ficar inativos em relação ao impacto do VIH hoje. A exigência de Jesus não é uma opção. Onde as pessoas estão unidas, milagres acontecem, e as intervenções e o envolvimento da AJAN nos diferentes centros têm produzido e ainda estão a produzir milagres na vida das pessoas. Testemunhos consoladores em toda a Rede são eloquentes sobre isso. Oito velas foram acesas ao redor do altar enquanto as orações eram oferecidas, com um mapa da África representando as seis províncias jesuítas, a Região de Ruanda-Burundi e a JCAM. As orações foram pelas seguintes intenções: para todas as pessoas com VIH e a Província da África do Noroeste (ANW); para pesquisadores e prestadores de cuidados de saúde e a Província da África Ocidental (AOC); para comunidades impactadas pela epidemia e a Província da África Central (ACE); para sensibilização, educação sobre o VIH e a Província da África Austral (SAP); por um mundo mais acolhedor e a Região de Ruanda-Burundi (RWB); pela luta contra o estigma, as desigualdades e a Província de Madagáscar (MDG); por todas as pessoas que morreram de SIDA e a Província da África Oriental (AOR); por todas as organizações e atores que lutam contra a SIDA e a Conferência dos Jesuítas da África e Madagáscar (JCAM).

Cada chama acesa representava vidas perdidas para o VIH em todas essas regiões e intenções de oração apresentadas para pedir a Deus cura para as nossas comunidades e compaixão em nossos corações. Uma vela se apaga enquanto ela ilumina ao seu redor. É um símbolo de entrega, compromisso e sacrifício pelo bem dos outros, que é requerido de cada crente diante do sofrimento. As velas são para todas as comunidades na África, para lembrar os milhões ao redor do mundo que não têm a graça de ter cuidados de saúde e medicamentos. A missão de Cristo de proteger, cuidar e dar a todos vida abundante é partilhada neste dia pelos jesuítas e colaboradores na África: “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (João 10,10). A Rede Jesuíta Africana para a SIDA continua a apoiar aqueles que são infetados e afetados pelo vírus através de uma abordagem integrada e holística, capacitando as comunidades para que liderem e cocriem.

“Quando as comunidades lideram, as mudanças acontecem”.

Por, Dennis Owuoche

Responsável pela Comunicação da AJAN.

Ismael Matambura

VIEW ALL POSTS

INSCRIÇÃO NA NEWSLETTER

Inscreva-se agora para receber atualizações por e-mail sobre os acontecimentos atuais na AJAN África.

pt_PTPortuguês