EMAIL US AT ajan@jesuits.africa
LIGUE AGORA (+254-20) 3884 528
DONATE TO OUR CAUSES

PARCEIRO DA CAPLAINCY PRISÕES DE AJAN E KENYA PARA AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DOS CATEQUISTAS

2021-12-16 no 12:00 am Industrial area Remand Kenya

PARCEIRO DA CAPLAINCY PRISÕES DE AJAN E KENYA PARA AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DOS CATEQUISTAS

Apesar dos desafios da pandemia COVID-19, o trabalho da Rede Jesuíta Africana de AIDS para alcançar os vulneráveis ​​na sociedade continua de forma constante. Nos dias 10, 17 e 24 de junho de 2021, a AJAN associou-se à Capelania das Prisões Católicas (região de Nairobi) para a realização de um seminário para catequistas. Eles vieram de várias instituições correcionais, incluindo a Kenya Prisons Training College, a Prisão Feminina de Lang'ata Maximum, a Prisão de Kiambu, o Comando Kamiti, Nairobi Remand, a Allocation Maximum Prison, Nairobi West e as Prisões de Kiambu.

Além de coordenar os esforços dos Jesuítas na luta contra o VIH em África, a AJAN tem parceria com a igreja para chegar aos vulneráveis ​​tanto quanto possível. Os reclusos, sendo estigmatizados, ameaçados e rotulados pela sociedade, estão entre os grupos que a AJAN procura alcançar e afetar de forma construtiva através de parceiros como a igreja nas prisões. Os prisioneiros sofrem traumas mentais, depressão e alguns até acabaram com suas próprias vidas.

Embora os catequistas trabalhem com os jovens nos centros correcionais, isso está realmente no centro do coração da AJAN. Viajar com os jovens para criar um futuro cheio de esperança está entre as Preferências Apostólicas Universais (UAPs) que orientam o trabalho dos Jesuítas em todo o mundo. Através de outra UAP, os Jesuítas assumem o compromisso de caminhar com os excluídos, os marginalizados do mundo, aqueles cuja dignidade foi violada, numa missão de reconciliação e justiça. Os outros são; mostrando o caminho para Deus e cuidando de nossa casa comum.

A formação, baseada no Manual AHAPPY da AJAN (desenvolvimento integral da juventude), foi concebida com o conhecimento do papel de mudança de comportamento que os catequistas desempenham no dia a dia enquanto trabalham para reintegrar os prisioneiros à sociedade ou reconciliá-los com Deus, consigo próprios e com outros na sociedade a quem eles podem ter ferido. Eles administram programas espirituais que ensinam aos presidiários a fé católica e a preparação para os sacramentos.

Normalmente, os catequistas são recrutados através do destacamento para as prisões do Quênia pela Igreja Católica no Quênia. Os catequistas têm liberdade para fazer contato com simpatizantes e doadores para atender a algumas necessidades dos presos, que podem ser materiais ou espirituais.

Fr. Peter Kimani, Capelão Nacional da Capelania Católica e Diretor Adjunto da Capelania das Prisões do Quênia, organizou o treinamento ao lado de pe. Ismael Matambura Diretor da AJAN. No início da formação, uma pedagogia da visão e dos objetivos do programa foi definida e discutida com os participantes. Eles foram então levados através dos módulos AHAPPY encontrados no manual AHAPPY. Os tópicos são os mesmos usados ​​no Treinamento de Alunos, mas a abordagem desta vez foi equipar e capacitar os catequistas para se tornarem treinadores de jovens nas prisões.

Tudo começou com o módulo Despertar para mim mesmo, onde os tópicos: Eu sou uma criatura amada de Deus, eu aqui e agora, meu corpo e eu, desenvolvendo capacidades intelectuais, os outros e eu, e Deus e eu, foram dissecados no primeiro dia -10 de junho. Fr. Ismael, assistido por Pascalia Sergon -AJAN Capacity Building Officer- envolveu os participantes por meio de apresentações, trabalho em grupo e vídeo, tornando as sessões realmente participativas.

As cinco dimensões de um ser humano foram cobertas. A AJAN trabalha para promover o crescimento holístico da pessoa humana - guiada pelos princípios inacianos - em uma abordagem abrangente para ajudar os jovens a evitar a devastação que o HIV, outras doenças que prosperam na pobreza e as pandemias sujeitaram a África. O continente é desproporcionalmente afetado pelo vírus, embora tenha a população mais jovem do mundo, com cerca de 70% com menos de 35 anos. Paradoxalmente, os jovens, que são o futuro do continente, carregam o fardo mais pesado da infecção, segundo estatísticas recentes de agências como a ONU AIDS.

Sete dias depois, o segundo treinamento começou com uma recapitulação da sessão de treinamento anterior. O segundo passo foi focar no Mundo eu como ser humano em que vivo e enfrentar seus desafios. Temas como olhar o mundo com a Santíssima Trindade, saber sobre HIV e AIDS, infecções sexualmente transmissíveis, fatores, riscos e vulnerabilidade entre os jovens, prevenção e centros de aconselhamento voluntário foram destacados.

O dia 24 de junho, que passou a ser a Festa da Natividade de João Batista, foi o último dia de treinamento e teve como foco Valores e Virtudes, fundamento da vida feliz e virtuosa. Os princípios e valores da vida entraram em foco crítico quando pe. Matambura engajou os catequistas. A equipe, dividida em grupos menores, deduziu pontos úteis de aprendizagem em termos de virtudes após assistir a um vídeo educativo. Questões pegajosas como castidade e virgindade, trabalho árduo, compromisso, acreditar em si mesmo, etc. surgiram e foram examinados momentaneamente. Foi enfatizado pelos participantes que o trabalho de induzir a mudança de comportamento significa alcançar os vulneráveis ​​que a sociedade rejeitou ou desprezou. Trata-se de ajudar aqueles que estão feridos e que cometeram erros a seguir em frente com vida positiva com autoconfiança e esperança, integridade e fé, coragem, prudência e amor. Mesmo que a virgindade deva ser encorajada, a virgindade secundária deve ser encorajada para os jovens que ainda podem ser capazes de viver uma vida decente e vitoriosa. Nunca é tarde para fazer o bem.

Missa rezada para os participantes durante a festa de João Batista

Fr. Ismael Matambura SJ., Rezou missa para os participantes e fez uma poderosa homilia usando a história de João Batista para exortar à humildade, ao compromisso e à fé. João Batista, disse pe. Ismael acreditava em sua missão de chamar as pessoas para abrir caminho para a vinda de Jesus. “Ele tem que crescer e eu tenho que diminuir” (Jo 3,30), citou João Batista, ao exortar os participantes a estarem sempre conscientes de sua existência e propósito na terra.

Nosso papel, pe. Ismael continuou, é ajudar os feridos (jovens e adultos) que ministramos para recuperar o propósito de vida. Que estas palavras de Deus a partir da leitura de Isias ressoem em nossos corações: “ Eu te farei uma luz para as nações, para que a minha salvação alcance os confins da terra ” (Is.49,6) . Somos chamados para ser o verdadeiro canal da salvação de Deus em nosso serviço aos prisioneiros

“Devemos usar nossas capacidades: intelectuais, físicas, emocionais, sociais e espirituais para servir efetivamente a humanidade incluindo os presos”, disse. “Deus quer que nossa luz chegue a cada prisão”, ele trouxe a mensagem para casa. Prepare o caminho do Senhor, endireite todos os seus caminhos. Todo vale será preenchido, e toda montanha e colina serão rebaixadas, E as curvas serão endireitadas, e os caminhos ásperos, suaves, diz (Lucas 3, 4-6).

Participantes comissionados, certificados premiados

Os participantes ficaram satisfeitos por receber certificados da AJAN e das prisões do Quênia como testemunho de seu envolvimento no treinamento. Cópias do Manual AHAPPY foram entregues aos participantes depois de pe. Peter Kimani, assistido pelo pe. Ismael encarregou os catequistas que carregam velas para irem praticar o que aprenderam. “É hora de ir praticar o que você aprendeu”, animou pe. Peter Kimani. “O AHAPPY nos deu habilidades e conhecimento para fazer nosso trabalho. Isso nos ajudará a ajudar os jovens infratores em nossas prisões, assim como as crianças. As habilidades vão ajudar a preencher uma lacuna ”, ponderou.

Catequistas aplaudem treinamento

Os participantes reagiram positivamente ao treinamento, passando por alguns que falaram com as comunicações da AJAN. Fred Ekamuran, capelão da Prisão Kamiti e coordenador desse treinamento, disse: “às vezes as pessoas se destacam em um aspecto da vida e se dão mal em outro. Este treinamento ajuda a entender tudo. ” Kalekye, da Prisão Máxima de Mulheres de Lang'ata, disse: “Sublinhei a importância de compreender as pessoas porque elas vêm de origens diversas e estão desesperadas para serem compreendidas”. Nyawira, que mora na Prisão de Kiambu, disse que aplicará as lições aprendidas no relacionamento com pessoas de todas as idades. “Sempre há algo que falta a alguém e agora tenho o poder de ajudá-lo”.

“Damos toda a glória a Deus por todos os que participaram de uma forma ou de outra para tornar o evento possível e bem sucedido. Como treinadores, também aprendemos muito com as experiências compartilhadas por nossos queridos participantes. Todos os dias há sempre algo novo para aprender! ”, Pe. Ismael Matambura disse no final do exercício.

2021/12/16 00:00:00
COMPARTILHAR É SE IMPORTAR

INSCRIÇÃO NA NEWSLETTER

Inscreva-se agora para receber atualizações por e-mail sobre os acontecimentos atuais na AJAN África.

pt_PTPortuguês