A 7 de julho de 2020, a Rede Jesuíta Africana contra a SIDA deu início a uma série de formações denominadas “Capacitação da Comunidade durante a COVID 19 e mais além”. Em síntese, trata-se de uma tutoria online para membros da rede criada para ajudar a fortalecer a capacidade de conhecimento para lidar com a COVID19 e problemas semelhantes que possam surgir no futuro em África.

Cerca de 25 pessoas beneficiaram do primeiro dia de formação, que foi administrado pela Dra. Paschalia Mbutu, especialista em Estudos sobre as Mulheres Africanas, e Dominic Syuma, psicólogo de aconselhamento. Ambos os formadores são dinamizadores comunitários e docentes no Tangaza University College, em Nairobi, no Quénia.

A sua apresentação conjunta começou com uma nota destinada a não deixar nada ao acaso, tendo iniciado uma sessão de introduções detalhadas que eles enfatizaram como sendo fulcrais. “Para além de nos darmos a conhecer uns aos outros e facilitarmos o decorrer do encontro, as apresentações permitem-nos identificar ‘pessoas-recurso’ e ficamos e saber como podemos capacitar-nos uns aos outros”, disse a Dra. Paschalia Mbutu. “É importante que, quando se aborda uma comunidade sobre um determinado projeto, se chegue a compreender os porteiros”, afirmou Dominic, enquanto Paschalia passou a narrar uma experiência pela qual aprendeu a importância disto da forma mais difícil: uma vez teve uma certa reunião à qual só ela própria assistiu simplesmente porque as pessoas daquela área só responderiam a uma certa senhora que ela não tinha consultado previamente.

A formação cobriu vários outros aspetos, tais como: a necessidade de ver o potencial das pessoas; a necessidade de uma compreensão adequada da metodologia de formação, o que inclui a participação ativa dos outros, permitindo à comunidade ser proprietária dos debates mas utilizando estratégias adequadas, os indicadores de desenvolvimento sustentável da comunidade, e como dar e receber feedback. O dia seguinte da formação ficou marcado para 10 de julho de 2020, às 15 horas, hora do Quénia.

De modo geral, a ordem de trabalhos da formação é permitir que os beneficiários identifiquem oportunidades “pequenas” que os possam sustentar durante este período da COVID19 e para além dele, como o título indica. A necessidade de formação surgiu do frutuoso empenho dos membros da AJAN na procura de formas adequadas de lidar com os desafios do novo vírus. Também será empreendida atividade de investigação como parte de um plano mais amplo.

Leave a Reply

error: contact communication@ajan.africa for this content