O exercício de capacitação da comunidade durante a COVID-19 e mais além teve continuidade com uma quarta sessão, na qual vários participantes da rede AJAN partilharam coisas novas que tinham absorvido desde o início de toda a formação, e que podem ter um impacto significativo nas suas mentes.

“Percebi que não devia ser intransigente ao lidar com a comunidade, que devia abraçar a humildade, e dar-lhes um ouvido mais apurado porque é deles que se trata e não de mim”, refletiu Christopher Murasi do Gabinete Jesuíta para a Juventude em Harare, Zimbabué. Solomon Rogers, da RTI Internacional, na Libéria, partilhou com entusiasmo com os outros participantes que se tinha tornado mais consciente das barreiras à escuta ativa.

Para permitir aos participantes intuir certos conceitos mais fácil e nitidamente, os formadores têm vindo a utilizar nas suas apresentações situações da vida real que encontraram no seu próprio trabalho. Estas situações são depois dissecadas de perto durante a sessão, uma abordagem que tornou as sessões muito interativas e estimuladoras do pensamento.

Neste dia, entre alguns outros cenários, foi apresentado um sobre um homem idoso resgatado por um jovem rapaz enquanto infelizmente se estava a afogar numa barragem. Embora este tenha sido um ato nobre que teve sucesso, o velho viria a expressar as suas reservas ao conversar com o seu salvador momentos mais tarde. Os formadores elegeram meticulosamente a história do velho de propósito, mas também simbolicamente, para desencorajar a questão dos projetos comunitários perenes que não dão poder aos beneficiários, mas os tornam eternamente dependentes da ajuda externa. O velho desejava que o jovem pelo menos lhe permitisse usar um dos seus braços no processo de ser puxado das profundezas da água e para a segurança. Lamentou ter-se sentido desafortunado e envergonhado mesmo depois desta ajuda vital.

Em última análise, os formadores continuaram a desvendar as fraquezas irredimíveis de uma abordagem “de cima para baixo” na implementação de projetos, demonstrando a necessidade da participação dos beneficiários desde o nível da conceção até à conclusão. “A abordagem que a organização interveniente utiliza para envolver a comunidade determina se esta vem a ser proprietária da trajetória de desenvolvimento e se esta se tornará baseada na comunidade ou não”, disse a Dra. Paschalia. A necessidade de explicar o processo e os benefícios de um projeto foi analisada em profundidade, bem como a necessidade de envolver os beneficiários no planeamento. A compreensão das necessidades prioritárias dos beneficiários foi discutida bem como a necessidade de uma análise crítica. “Envolver a comunidade, a comunidade no ‘ponto de consumo’, é um fracasso”, afirmou o formador Dominic Syuma.

A sessão seguinte teria lugar a 21 de julho de 2020 e os membros da AJAN estarão preparados e entusiasmados para saber mais.

 

Leave a Reply