Desde que foi declarada a pandemia devido ao coronavírus, o Togo, como todos os países afetados, lançou um plano sanitário de emergência materializado por decisões governamentais que promovem o cumprimento de medidas de proteção, entre as quais: o uso obrigatório de máscaras nos locais públicos, a lavagem das mãos, a introdução do recolher obrigatório das 20h às 6h, o encerramento das escolas, a suspensão das concentrações desportivas e culturais, o horário de funcionamento da administração pública em ritmo contínuo das 9h às 16h, etc. 

Os Centros Sociais Loyola (CEL-CCL), na dinâmica das preferências apostólicas universais da Companhia de Jesus, continuaram a fazer uma opção pelos mais pobres. De facto, surgiram várias perguntas: e o que será dos nossos beneficiários, em particular as pessoas que vivem com o HIV/SIDA (PVHIV) e os órfãos e crianças vulneráveis (OCV) que beneficiam dos cuidados do CEL? Esse apoio inclui aspetos nutricionais, psicológicos e mesmo de saúde. 

Se se verifica que os financiamentos estão a diminuir nesta época de pandemia, permanece o facto de que o Evangelho deve encontrar o seu significado neste momento sombrio, quando Cristo continua a dizer-nos: “Dai-lhes vós mesmos de comer” (Lc 9,13). Dito isto, é nosso dever alimentar essas pessoas pobres; mas como o vamos fazer? 

Na sua entrevista de 20 de abril de 2020, o padre Jorge SERRANO SJ, que trabalhou durante muito tempo no economato da Cúria [Geral dos Jesuítas], nos lembra que: “… 90% dos doadores doam porque alguém lhes pediu que o fizessem. … Este convite deve ser acompanhado por um projeto que tenha impacto na vida das pessoas. Santo Inácio sabia mendigar nas ruas, nos palácios dos cardeais e junto dos comerciantes flamengos, em favor de prostitutas ou dos estudantes do Colégio Romano, e a sua carta de apresentação eram os efeitos que ele produzia na vida das pessoas”. Sim, nos nossos centros continuamos a mendigar, e a providência permite-nos caminhar com os mais pobres e acompanhar os jovens. 

Assim que foi declarada a pandemia, com a ajuda do Padre Désiré YAMUREMYE SJ, diretor executivo dos Centros Sociais Loyola, foram instalados dispositivos de lavagem das mãos em cada entrada da obra. Mais ainda, para proteger a saúde da equipa, são disponibilizados a cada um dos membros máscaras protetoras e gel hidroalcoólico para cumprir o melhor possível com as medidas de barreira contra a COVID-19; o acesso ao recinto dos centros só é possível usando uma máscara protetora. 

Assim, nos dias 6 e 23 de abril, como parte da estratégia para fortalecer as capacidades económicas das mulheres vulneráveis que são chefes de família, reuniram-se “as mulheres da cooperativa de sabão” para a produção de sabonetes em conformidade com as medidas de proteção. No dia 28 de abril, foi a vez das “mulheres da cooperativa de farinha enriquecida” se juntarem para a fabricação de farinha enriquecida, um género alimentar muito importante para as PVHIV. 

O serviço de laboratório de análise biomédica não poupa esforços para atender às necessidades dos seus usuários, para além das PVHIV. 

Pela união dos corações ao serviço dos mais pobres 

Désiré YAMUREMYE S.J.

Leave a Reply

error: communication@ajan.africa for content

Notice: Undefined index: prnt_scr_msg in G:\PleskVhosts\ajan.africa\httpdocs\wp-content\plugins\wp-content-copy-protector\preventer-index.php on line 171